É realizada para o tratamento da infecção do osso temporal, onde estão contidas as estruturas da orelha. A mastóide é um osso poroso que faz parte da orelha média, que pode ser retirado em casos de otite média crônica.

Indicação:

Tratamento de doenças como colesteatomas, ou seja, doenças provocadas pela má ventilação da tuba auditiva durante a infância.

Procedimento:

é feita uma incisão atrás da orelha, onde se expõe o ouvido e a mastóide. Depois é utilizado um microscópio cirúrgico e um micromotor com brocas, para limpar toda a mastóide. Dependendo da doença, é preciso limpar toda a região da cavidade timpânica, onde estão localizados os ossículos (martelo, bigorna e estribo). Em casos de colesteatomas ou infecção grave, pode ser necessário a retirada da parede posterior do conduto auditivo externo e os ossículos, tornando o ouvido e a mastóide uma só cavidade. Realiza-se concomitantemente a reconstrução da unidade timpano-ossicular (tímpano e ossículos) e outro procedimento, conhecido como meatoplastia, para melhorar a ventilação e facilitar a limpeza da cavidade.

Orientações:

Fazer os exames pré-operatórios com hemograma completo e avaliação cardiológica.
No pós-operatório proteger o ouvido da água.
Pode ocorrer secreção sanguinolenta, porém sangramento não é habitual.
É comum ter a sensação de ouvido tampado após a cirurgia devido a curativos usados durante o procedimento.
Também pode ocorrer pequenas vertigens acompanhadas de mal estar, o que deve ser comunicado ao médico responsável.
É indicado supervisão anual, para acompanhar a evolução do processo e limpeza do local se necessário.